Bagarai » Cotidiano » Negócios » A história da CPTM

A história da CPTM

Tudo sobre a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos

3 de maio de 2010

CPTM

A Companhia

Ao completar 18 anos de sua fundação, a CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), vinculada à Secretaria de Estado dos Transportes Metropolitanos (STM), tem muitas conquistas a comemorar e um imenso desafio pela frente.

Criada em 1992, a companhia herdou uma ferrovia carente de recursos, com inúmeros problemas, principalmente nas áreas de segurança e prestação de serviços. Ao longo destes anos, uma grande revolução se deu nos bastidores da companhia que saltou de 894 mil usuários transportados por dia para mais de 2,1 milhões de usuários.

Agora um grande desafio está em marcha, exigindo de todos os empregados garra e espírito de luta: transformar a CPTM na operadora de trens mais moderna do Brasil, com a melhoria dos serviços oferecidos e a revitalização de toda a sua infra-estrutura.

Prioridade do Governo do Estado de São Paulo, a CPTM tem a meta de transportar 3,2 milhões de passageiros diariamente, com grande melhoria da qualidade dos serviços.

De olho no futuro, a companhia está investindo mais de R$7 bilhões, destinados à extensão de linhas, construção e reforma de estações, dinamização de infra-estrutura, bem como o aumento e recuperação da frota.

Estão incluídos nesses investimentos projetos de destaque, a exemplo da revitalização das Linhas 7 (Luz-Francisco Morato) e 8 (Júlio Prestes-Itapevi), o trem de Guarulhos e o Expresso Aeroporto, a Linha 11 – Coral e a modernização do Expresso Leste, além da Linha 10 – Turquesa (Luz–Rio Grande da Serra) e da implantação do Expresso ABC.

Alternativa para o futuro
Hoje a empresa, com suas 89 estações operacionais, atende 22 municípios e se apresenta como a melhor alternativa para atenuar o problema da mobilidade na Região Metropolitana de São Paulo.

A frota atual conta com 119 trens disponíveis para operação e faz uma média de 2.290 viagens por dia útil, nas seis linhas do sistema, transportando:

  • 399 mil pessoas na Linha 7 – Rubi (Luz-Francisco Morato);
  • 432 mil na Linha 8 – Diamante (Júlio Prestes-Itapevi);
  • 267 mil na Linha 9 – Esmeralda (Osasco-Jurubatuba);
  • 330 mil na Linha 10 – Turquesa (Luz-Rio Grande da Serra);
  • 521 mil na Linha 11 – Coral (Luz-Estudantes) e
  • 197 mil na Linha 12 – Safira (Brás-Calmon Viana).

As estações Brás, Luz e Barra Funda recebem juntas quase 50% do movimento diário total.

História

Quem utiliza o sistema desde 1992 lembra da situação caótica herdada pela CPTM à época de sua fundação. Pingentes, surfistas, arrastões, longos intervalos, condições precárias das estações, trens e manutenção dos sistemas, além de ineficiência faziam parte do cotidiano dos usuários. O cenário mudou radicalmente com os investimentos de mais de US$ 1,6 bilhão aplicados na companhia entre 1995 e 2006.

Nesse período, a empresa ganhou 11 novas estações, revitalizou outras cinco, adquiriu 88 trens de última geração. Os intervalos entre as composições nos horários de pico passaram de 20 minutos em algumas linhas, no início dos anos 1990, para seis na Linha C e Expresso Leste. As ocorrências policiais caíram drasticamente graças à atuação firme das equipes de Segurança. Essas e outras iniciativas conquistaram a confiança da população, que adotou os trens metropolitanos como uma das melhores opções de transporte.

Visão e Objetivos

Preocupada em estabelecer um Planejamento Estratégico com as principais diretrizes para os próximos quatro anos, a atual gestão definiu princípios importantes a serem incorporados por toda a companhia, como a Visão e a Missão da CPTM, além dos valores e crenças e dos principais objetivos. São eles:

VISÃO
Ser reconhecida pelo usuário, pela população e pelo poder concedente como a melhor prestadora de serviços de transporte de passageiros em Regiões Metropolitanas do Brasil.

MISSÃO
Ofertar serviços de transporte de passageiros com padrões de excelência que atendam às necessidades e expectativas dos usuários e da sociedade.

VALORES / CRENÇAS

  • Nosso trabalho vai além de simplesmente transportar gente: acreditamos que podemos contribuir efetivamente para melhorar a qualidade de vida das pessoas, influenciando positivamente aspectos como trabalho, lazer e o exercício da cidadania.
  • Obsessão pelo usuário: todos os nossos esforços devem ser orientados para, contínua e intensamente, captar, compreender e transformar em serviço as demandas e necessidades de nossos usuários.
  • Ética e respeito ao Interesse Público: são para nós valores tão fortes e evidentes que não carecem de explicação ou justificativa.
  • Gestão Profissional: valorizamos a gestão baseada na aplicação efetiva de técnicas e instrumentos gerenciais, como forma de potencializar as competências de nossos colaboradores.
  • Também somos responsáveis: estamos comprometidos com os princípios da responsabilidade sócio-ambiental e reconhecemos nosso potencial de impacto na realidade social.

OBJETIVOS

  • Elevar o nível de qualidade do serviço prestado e sua correspondente percepção pela sociedade.
  • Obter a redução da dependência financeira do Estado, no médio prazo, e a  sustentabilidade econômico-financeira, no longo prazo.
  • Aperfeiçoar a inserção urbana da CPTM.
  • Consolidar uma cultura organizacional  baseada nos princípios do empreendedorismo e da iniciativa individual.
  • Implantar um modelo gerencial, orientado por gestão de processos, indicadores de desempenho e rotinas de avaliação e ajuste, que possibilite a  continuidade administrativa da Companhia.
2007
Número de passageiros transportados alcança a marca de 1,6 milhão, o dobro da média de 1999. Intervalos dos trens nos horários de pico são de seis minutos no Expresso Leste e Linha 9 – Esmeralda.
Extensão da Linha 9 – Esmeralda – As obras promoverão melhorias na zona Sul de São Paulo, região carente na área de transporte coletivo. Além de três novas estações, os moradores locais terão o viário modernizado, a construção de novas pontes e recuperação das já existentes, muros, calçadas e manutenção de árvores em todo o entorno das vias da CPTM, até Grajaú.
Modernização da Linha 12 – Safira – estão previstas várias intervenções em quatro anos, com investimento de R$ 1,2 bilhão até 2010. Além de melhorar os padrões de confiabilidade do sistema, as condições de acessibilidade, o conforto e segurança, o projeto possibilitará a redução dos intervalos entre os trens de 10 para 6 minutos nos horários de pico.
Trem de Guarulhos / Expresso Aeroporto – Em 27 de abril de 2007, a STM – Secretaria Estadual dos Transportes Metropolitanos –  abre, em sessão pública, as propostas contendo os Estudos Técnicos, Econômicos e Financeiros do projeto, visando a elaboração de uma Parceria Público-Privada (PPP). A conclusão do projeto está prevista para 2010.
Trens revitalizados – O programa de modernização da frota envolve a reforma de 45 trens, até 2010. Desse total, 15 composições pertencem a Linha 12 – Safira, sendo que cinco totalmente revitalizadas já estão em circulação e uma outra está em fase de testes.
Novos trens – Também estão em fabricação 12 novos trens para a Linha 9 – Esmeralda, dos quais três têm entrega prevista até o final deste ano. Além disso, a CPTM já está licitando a compra de mais 40 trens dos quais 20 serão paras a Linha 12 – Safira, 16 para a Linha 7 – Rubi e 4 para a própria Linha 9 – Esmeralda.
Projeto Ciclista Cidadão, Implantada em fevereiro, a iniciativa permite o acesso de bicicletas nos trens aos sábados, domingos e feriados. Até setembro, mais de 10 mil ciclistas já aderiram ao programa.
Bilhete Fidelidade, Criado com o objetivo de beneficiar os usuários da CPTM e Metrô, o bilhete oferece desconto de R$ 4,00 na compra do lote de 20 passagens.
Bicicletários: A adoção deste serviço faz parte da estratégia da Secretaria de Transportes Metropolitanos de disseminá-los na capital e grande São Paulo. A CPTM revitalizará espaços desse tipo já existentes e construirá novas áreas, com unidades de mesmo padrão visual e de funcionamento. Atualmente, dois bicicletários estão em operação, obedecendo ao novo padrão: Pinheiros, com 90 vagas, e Itapevi, com 70.
Operação “Portas Fechadas” acaba com a circulação de trens com portas abertas na Linha 12 – Safira, a única do sistema que ainda persistia com o problema.
Trens revitalizados

Trens revitalizados

Novos trens Linha 9 – Esmeralda

Novos trens Linha 9 – Esmeralda

Bicicletário estação Pinheiros

Bicicletários
2006
Inaugurado novo CCO (Centro de Controle Operacional) na Estação Brás, que unificará gradativamente o controle das seis linhas da CPTM.
CCO unificado - Brás

CCO unificado – Brás
2005
Início da construção de três novas estações na Linha 12 – Safira: Jardim Helena, Jardim Romano e USP Leste, além de outras três estações na Linha 9 – Esmeralda: Autódromo, Interlagos e Grajaú.
Bilhete Único – Assinado convênio entre Estado e Município para viabilizar a implantação do Bilhete Único no sistema de transporte sobre trilhos, dentro da região metropolitana paulista. A parceria CPTM/Metrô/SPTrans foi iniciada com a implantação do Bilhete Único nas Linhas C da CPTM e na 2-Verde do Metrô.
Início do Programa Boa Viagem – o programa prevê investimento de R$ 388 milhões para a recuperação, reforma e modernização de 45 trens.
Começa processo de informatização das 83 estações em julho. Toneladas de papel impresso, formulários preenchidos à mão, lentidão na contabilização de passageiros, pedidos de bilhetes via malote, anotações em antiquados livros de registro passam a ser feitos eletronicamente.
Estação Jardim Romano

Estação Jardim Romano

Estação Autodromo

Estação Autodromo

Cartão do Bilhete Único

Cartão do Bilhete Único

Programa Boa viagem

Programa Boa viagem
2004
Integração na Estação da Luz: início da integração gratuita no subsolo da Estação da Luz, beneficiando os usuários das linhas da CPTM e do Metrô.
Empresa deu início às obras de modernização das estações Osasco, Presidente Altino e Jurubatuba.
Inauguração da 1ª Estação Referência – projeto-modelo de estação, que prioriza a gestão para alcançar alto padrão na qualidade dos serviços. A primeira foi inaugurada em janeiro/04.
Estação Luz

Estação Luz

Interligação CPTM/Metrô

Interligação CPTM/Metrô

Estação Referência Lapa

Estação Referência Lapa
2003
Trens do Expresso Leste começaram a chegar até a Estação da Luz; antes paravam na Estação Brás.
Adotada Gestão Corporativa para Prestação de Serviço, modelo focado na melhoria os indicadores de desempenho que interferem na qualidade do transporte oferecido aos usuários.
Implantado sistema de monitoramento por 802 câmeras de CFTV nas 83 estações comerciais. A medida auxiliou na redução das ocorrências e na solução de vários casos policiais.
Trem série 2000

Trem série 2000

2002
A primeira etapa do Projeto Sul (1ª fase) – Dinamização da Linha 9 – Esmeralda e Construção da Linha 5 – Lilás terminou com a entrada em operação da Linha 5 – Lilás do Metrô. Essa linha construída pela CPTM tem 9,4 quilômetros de extensão, dos quais 7 quilômetros de vias elevadas, 800 metros de subterrâneas e 1,6 quilômetro de vias de superfície.
Estação Giovanni Gronchi Linha 5 Lilás

Estação Giovanni Gronchi Linha 5 Lilás

Ponte Estaiada - Estação Sto. Amaro - Linha 5 Lilás

Ponte Estaiada – Estação Sto. Amaro – Linha 5 Lilás

Ponte Estaiada - Estação Sto. Amaro - Linha 5 Lilás

Ponte Estaiada – Estação Sto. Amaro – Linha 5 Lilás
2001
Projeto Integração Centro – Desenvolvido pela STM (Secretaria dos Transportes Metropolitanos), por intermédio da CPTM, abrange três estações da empresa, num trecho de 7 km: Brás, Luz e Barra Funda. O objetivo é facilitar o acesso da população ao eixo central da cidade. Companhia chega à marca de 1 milhão de usuários transportados / dia.
Linha 9 – Esmeralda (Projeto Sul 1ª fase – Dinamização) – Com 24 km de extensão, recebeu várias melhorias. Entraram em operação novas estações (Socorro, Granja Julieta, Morumbi, Berrini, Cidade Jardim, Hebraica-Rebouças e Vila Olímpia). Essas unidades juntaram-se a outras oito já existentes.
Estação Luz

Estação Luz

Estação Barra Funda

Estação Barra Funda

Estação Berrini

Estação Berrini

Estação Hebraica-Rebouças

Estação Hebraica-Rebouças
2000
Início da operação Expresso Leste, com novos trens equipados com ar-condicionado, bancos anatômicos e música ambiente e quatro modernas estações: Corinthians-Itaquera, Dom Bosco, José Bonifácio e Guaianazes. Média de usuários transportados retoma crescimento: 869 mil.
Média de usuários transportados retoma crescimento: 869 mil.
Trem série 2000 - Expresso Leste

Trem série 2000 – Expresso Leste
1998
Começaram as obras de dinamização na Linha C com o “Projeto Sul de Trens Metropolitanos”. Passageiros transportados caem novamente para 800 mil / dia. No ano seguinte, CPTM registra pior média: 766 mil usuários diários. Chegam da Espanha 48 trens (três carros) reformados. Começaram a operar, inicialmente na Linha E, mas foram removidos para as Linhas D e C devido a atos de vandalismo.
Mapa Linha C

Mapa Linha C

Trem série 2100

Estação Granja Julieta
1996
A empresa assumiu a operação dos sistemas da Fepasa (atuais Linhas B/C). Trens partem com pingentes e surfistas. Para se ter uma idéia, neste ano, 29 pessoas morreram ao viajar penduradas, 351 ficaram feridas e 3.656 acabaram retirados das portas das composições. Já o número total de surfistas foi de 459, com 9 pessoas mortas. Total de usuários diários volta a subir: 835 mil.

Trem série 5000 – 1996
1994
A CPTM assumiu a CBTU – STU/SP (atuais Linhas A/D e E/F) e começando a operar, efetivamente, em abril desse ano. Intervalos nos horários de pico, em algumas linhas, são de 20 minutos. A frota herdada pela companhia se encontrava bastante deteriorada, o que leva a implantação do primeiro programa de modernização das composições (PQMR), envolvendo mais de 500 carros. O número de passageiros transportados por dia cai para 800 mil.

Estação Luz – 1994

Estação Brás – 1994

Estação Brás – 1994

Estação Barra Funda – 1994
1992
A CPTM teve sua criação autorizada pela Lei nº 7.861, segundo a qual a nova companhia deveria assumir os sistemas de trens da Região Metropolitana de São Paulo, operados pela Companhia Brasileira de Trens Urbanos – CBTU (Superintendência de Trens Urbanos de São Paulo – STU/SP) e pela Ferrovia Paulista S/A – Fepasa, de forma a assegurar a continuidade e a melhoria dos serviços. Cenas de centenas de usuários pulando nas vias para passar de uma plataforma e outra, trens viajando de portas abertas e composições completamente depredadas eram bastante comuns. Neste ano, eram transportados diariamente 894 mil usuários.

Para mais informações visite o site da CPTM.

Deixe a sua opinião, faça seu comentário.

Por favor, não use palavras ofensivas, que desrespeitem a lei ou apresentem linguagem ou material obsceno em seus comentários no Bagarai, mensagem que não cumpram essas políticas não serão aceitas. A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Caso você se sinta ofendido com alguma mensagem publicada ou tem alguma sugestão para melhorar o site, clique aqui e entre em contato.



Dicas de Ofertas