Bagarai » Tecnologia » A tecnologia a serviço da segurança pública

A tecnologia a serviço da segurança pública

Não é de hoje que a população brasileira se esconde com medo da violência e dos crimes urbanos. O tráfico de drogas, os seqüestros e a marginalidade estão presentes na história do Brasil há muito tempo

21 de junho de 2010

A Lei 11.923, de 17 de abril de 2009, finalmente tipificou a figura do sequestro relâmpago. Porém, na prática, ela ainda não representa o fim ou a diminuição dessa prática criminosa.

Depois de uma década, o número de homicídios voltou a crescer e os roubos bateram um recorde histórico. No Estado de São Paulo, 4771 pessoas foram assassinadas no Estado, com registro maior nas cidades do interior ou do litoral. Mas, o número de latrocínios na capital, que é o roubo seguido de morte, também impressiona: foram cem casos, em 2009; no ano anterior, foram 69. Os registros de roubos aumentaram 18% em relação a 2008 e superaram a marca histórica de 2003. Foram 257.004 casos no ano passado, contra 248.406 em 2003, que era o pior indicador registrado, e 217.967, em 2008. Em relação aos sequestros, a notícia é ainda pior: as ocorrências cresceram 41,6% em 2009, em relação ao ano anterior. Foram 85 casos contra 60.

E como um pai de família pode se defender em um cenário como esse? Um alarme móvel, preventivo e pessoal ativado pelo celular. No mercado atual, existem vários tipos de dispositivos onde é possível comunicar um roubo ou até mesmo quando uma pessoa está em poder de um criminoso, porém estes dispositivos devem ser acionados quando o crime está ocorrendo. E como fazer isso quando já se está em poder de um assaltante?

Através da utilização de um alarme pessoal programado em uma central telefônica que capta os dados do assinante em seu sistema e monitora suas ativações. O cliente determina pelo atendimento o tempo médio de seus trajetos e ativa o alarme pelo celular através de uma ligação telefônica gratuita e sem atendimento de espera.

Se não houver a desativação no tempo pré-determinado, o sistema identifica o usuário, retorna a ligação e se não correspondido aciona uma lista de pessoas previamente cadastradas, para que tomem as providências necessárias, caso o assinante esteja em situação de perigo. Se antes do tempo programado houver a desativação do alarme, a Ultravision entende que seu cliente já está em um local seguro. A grande vantagem desse dispositivo é a rapidez com que se identifica uma pessoa em situação de risco, pois o principal e maior volume de crimes ocorrem nos trajetos mais comuns que população percorre para chegar em casa.

O Ultravision é o primeiro e único alarme do Brasil, capaz de saber quando o cliente está em uma situação de emergência: seqüestro relâmpago, refém de assaltantes entre outras situações. Ao ativar o alarme pelo seu celular, o usuário terá alguns minutos para desativá-lo. Se neste período houver alguma emergência não será necessário fazer nada, pois passado o tempo programado, a central da Ultravision receberá o alerta e tomará as medidas necessárias.

Por Marcelo Valente, Diretor Geral da Ultravision, empresa responsável pela produção do primeiro alarme preventivo e pessoal ativado pelo celular do País.

Deixe a sua opinião, faça seu comentário.

Por favor, não use palavras ofensivas, que desrespeitem a lei ou apresentem linguagem ou material obsceno em seus comentários no Bagarai, mensagem que não cumpram essas políticas não serão aceitas. A responsabilidade pelos comentários é exclusiva dos respectivos autores. Caso você se sinta ofendido com alguma mensagem publicada ou tem alguma sugestão para melhorar o site, clique aqui e entre em contato.



Dicas de Ofertas