Ferreira Gullar morreu aos 86 anos

Ferreira Gullar morreu aos 86 anos
LindsayMoreira / Wikimedia

Neste domingo (4) a cultura brasileira perdeu o poeta, escritor e teatrólogo Ferreira Gullar no Rio, aos 86 anos.

Um dos maiores escritores brasileiros do século XX, Ferreira Gullar foi eleito para a Academia Brasileira de Letras (ABL) em 2014, ocupando a cadeira nº 37.

O perfil de Gullar no site da ABL informa que, inicialmente, o escritor “ficou escandalizado com esse tiop de poesia”, mas mais tarde aderiu ao estilo, tornando-se “um poeta experimental radical”. Certa vez, ao comentar o período, afirmou: “Eu queria que a própria linguagem fosse inventada a cada poema”.

Ferreira Gullar nasceu em São Luís, em 10 de setembro de 1930, com o nome de José Ribamar Ferreira. É um dos onze filhos do casal Newton Ferreira e Alzira Ribeiro Goulart. Sobre o pseudônimo, o poeta declarou o seguinte: “Gullar é um dos sobrenomes de minha mãe, o nome dela é Alzira Ribeiro Goulart, e Ferreira é o sobrenome da família, eu então me chamo José Ribamar Ferreira; mas como todo mundo no Maranhão é Ribamar, eu decidi mudar meu nome e fiz isso, usei o Ferreira que é do meu pai e o Gullar que é de minha mãe, só que eu mudei a grafia porque o Gullar de minha mãe é o Goulart francês; é um nome inventado, como a vida é inventada eu inventei o meu nome”. Segundo Mauricio Vaitsman, ao lado de Bandeira Tribuzi, Luci Teixeira, Lago Burnet, José Bento, José Sarney e outros escritores, fez parte de um movimento literário difundido através da revista que lançou o pós-modernismo no Maranhão, A Ilha, da qual foi um dos fundadores. Muitos o consideram o maior poeta vivo do Brasil e não seria exagero dizer que, durante suas seis décadas de produção artística, Ferreira Gullar passou por todos os acontecimentos mais importantes da poesia brasileira e participou deles. Morando no Rio de Janeiro, participou do movimento da poesia concreta, sendo então um poeta extremamente inovador, escrevendo seus poemas, por exemplo, em placas de madeira, gravando-os. Em 1956 participou da exposição concretista que é considerada o marco oficial do início da poesia concreta, tendo se afastado desta em 1959, criando, junto com Lígia Clark e Hélio Oiticica, o neoconcretismo, que valoriza a expressão e a subjetividade em oposição ao concretismo ortodoxo. Posteriormente, ainda no início dos anos de 1960, se afastará deste grupo também, por concluir que o movimento levaria ao abandono do vínculo entre a palavra e a poesia, passando a produzir uma poesia engajada e envolvendo-se com os Centros Populares de Cultura (CPCs). Em 2014, ele foi considerado um imortal na Academia Brasileira de Letras. Ferreira Gullar faleceu no dia 04 de dezembro de 2016, no Rio de Janeiro. A causa da morte não foi divulgada.

Deixe seu comentário:

+ Brasil

Kid Vinil morreu aos 62 anos
Kid Vinil morreu aos 62 anos
Dono da JBS teria gravado Temer dando aval para comprar silêncio de Cunha
Dono da JBS teria gravado Temer dando aval para comprar silêncio de Cunha
Belchior morreu aos 70 anos
Belchior morreu aos 70 anos
Greve Sp 28/04 afeta CPTM
Greve Sp 28/04 afeta CPTM

Tags:, , , , , , , , , ,